Textos



Arthur Rimbaud
Sílvia Mota a Poeta e Escritora do Amor e da Paz

Jean Nicolas Arthur Rimbaud (Charleville, 20 de outubro de 1854 - Marselha, 10 de novembro de 1891), é o admirável menino-poeta da literatura francesa. Sua vida tempestuosa, as relações com Paul Verlaine, a ideia do poeta como vidente e confusões dos sentidos fazem parte da lenda que envolve seu nome. Sua fama literária depende principalmente do poema Le Bateau ivre e os volumes notáveis chamados Les Illuminations e Une Saison en Enfer. O abandono da arte e "the ancient parapets of Europe" fizeram de Rimbaud uma figura fascinante e sintomática da alienação no mundo moderno. 

Aluno brilhante em sua cidade natal, Charleville, Rimbaud publicou seus primeiros versos franceses conhecidos (Les Étrennes des orphelins) em La Revue pour tous em 2 de janeiro de 1870. Outros primeiros poemas foram Sensation, Ophélie, Credo in Unam (later called Soleil et chair), and Le Dormeur du val. Les Chercheuses de poux é um exemplo inesquecível de beleza criada a partir do que parece à primeira vista um assunto mais promissor, e Voyelles, com sua coloração das vogais ("A black, E white, I red, U green, O blue: vowels..."), despertou interesse considerável no aspecto da sinestesia conhecida como audition colorée (audição colorida).

Em 15 de maio de 1871, Rimbaud escreveu sua famosa Lettre du voyant para um amigo, Paul Demeny: "Eu digo que é preciso ser vidente, fazer-se um vidente. O poeta se faz vidente por um desarranjo longo, imenso e fundamentado de todos os sentidos... Ele esgota em si mesmo todos os venenos, para preservar apenas os seus quintessências... E chega ao desconhecido..."

No final de setembro de 1871, Rimbaud juntou-se a Verlaineem Paris, trazendo consigo o manuscrito de Le Bateauivre, um dos poemas mais notáveis do século. Descreve as aventuras de um barco à deriva deixado livre pelos rios da América após a sua tripulação ser assassinada por nativos americanos. O poema é uma maravilha da evocação alucinada e prenuncia um Rimbaud estranho. Os amantes levaram uma vida ociosa, regada a absinto e haxixe. Escandalizaram o círculo literário parisiense por causa do comportamento ultrajante de Rimbaud, o arquetípico enfant terrible, que durante esse período continuou a escrever notáveis versos visionários. Verlaine e Rimbaud admiravam a arte um do outro, mas os temperamentos fleumáticos de ambos e a diferença de idades eram condicionantes sérias para explosões emocionais frequentes. O relacionamento turbulento entre Verlaine e Rimbaud terminou, finalmente, com Verlaine na prisão por atirar no punho do amigo e com Rimbaud desorientado e inquieto. Rimbaud escreveu Une Saison en Enfer, impresso na Bélgica em 1873, sendo distribuídos alguns exemplares, mas nem sequer reclamou o resto da edição. Les Illuminations não apareceu até Verlaine publicar o volume em 1886. Enquanto isso, Rimbaud desistira da poesia para sempre.

Depois de anos de peregrinação, Rimbaud viveu como um explorador Africano, comerciante e gunrunner. Em 1888, estava em Harar, a trabalhar para um país exportador de café, couros e almíscar. Um tumor do joelho forçou seu retorno para Marselha, em 1891, onde teve a perna direita amputada. Morreu no hospital, em 10 de novembro de 1891, aos 37 anos.

Os críticos consideram Rimbaud um dos criadores do verso livre para poemas como Marine and Mouvement em Les Illuminations. Rimbaud escreveu em Une Saison en Enfer: "Eu acreditava que poderia adquirir poderes sobrenaturais. Bem! Eu devo enterrar minha imaginação e minhas lembranças!" Aparentemente, nada mais escreveu após sua despedida por cartas aos 19 anos de idade.

Sílvia Mota a Poeta e Escritora do Amor e da Paz
Enviado por Sílvia Mota a Poeta e Escritora do Amor e da Paz em 24/06/2012
Alterado em 01/09/2016
Copyright © 2012. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários


Imagem de cabeçalho: jenniferphoon/flickr