Textos


Amir_Khusraw_Dihlavi.jpg
Amir Khusraw teaching his disciples
miniatura do manuscrito de Majlis al-Ushshaq por Husayn Bayqarah

Amir Khusraw Dihlavi
por Sílvia Mota a Poeta e Escritora do Amor e da Paz

Nascimento, vida e morte

Primeiro nome: Ab'ul Hasan Yamīn ud-Dīn K͟husraw
Nascimento: 1253, Patiyali, Índia
Falecimento: outubro de 1325, Deli, Índia
Filiação: Amīr Sayf ud-Dīn Mahmūd, Hazrat Bibi Daulat Naz

Amir Khusrau Dihlavi foi um poeta clássico prolífico associado com as cortes reais de mais de sete governantes do sultanato de Deli. Escreveu muitos crivos brincalhões, canções e lendas que se tornaram uma parte da cultura popular no sul da Ásia. Através da sua produção literária, representa um dos primeiros personagens indianos com verdadeira identidade multicultural ou pluralista. Escreveu um Khamsa que foi associado ao criador dos épicos persas Nizami Ganjavi. Seu trabalho foi considerado um dos grandes clássicos da poesia persa durante séculos posteriores.
 

Obras de Amir Khusraw Dihlavi

Tuhfat al-Saghir: melodias jovens, sonetos e odes compostos quando ele tinha entre dezesseis e dezenove anos de idade.
 
Wasat al-Hayat: poemas compostos quando estava entre as idades de vinte e trinta e quatro anos.
 
Ghurrat al-Kamal: poemas de meia-idade recolhidos a pedido do seu irmão. Uma breve biografia do poeta introduz a coleção.
 
Baqiyya-i Naqiyyah: miscelâneas da velhice, poemas em louvor dos reis da Índia.
 
Nihayat al-Kamal: últimos poemas de Amir Khusraw Dihlavi.
 
Outra multi-coleção, referida como Samaniyah Khusravi Yah (oito khusravi mathnavis), que inclui:
 
Duvalroni Khizirkhan: trata do amor de Khizir Khan para a filha do Raj de Gujarat. A história de amor composta a pedido de Khizir Khan é prefaciado com uma breve história da disseminação da fé islâmica na Índia sob a dinastia Ghurid.

Taj al-Futuh: composta em homenagem à ascensão ao trono do sultão Jalal al-Din Firuz.

Noh Sepehr: um Mathnawi em nove capítulos composto em honra de Qutb al-Din Mubarak Shah Khilji.

Tuqluq Namah: composta por ocasião do estabelecimento da dinastia Tughlaq de Delhi por Ghiyas al-Din Shah Tughluq.

Matla' al-Anwar: um tratado sobre Sufi pensado ao longo da linha de Nizami Makhzan al-Asrar. Trata-se de uma resposta a Nizami. Praticamente, aborda o mesmo tema. Discute três coisas neste poema: a lei, o caminho e a verdade. Foi composta em apenas duas semanas.

Shirin wa Khusrau: é a segunda mathnavi de Khusraw’s Khamsa. O título do mathnavi de Nizami é Khusraw Shirin. Khusraw inverteu-o para Shirin Khusraw. Ao fazer isso, provavelmente, dá preferência ao personagem feminino da história. A história é quase a mesma versificada por Nizami. No entanto, Khusraw-i-Dehlavi relaciona-o com o antigo romance, em um estilo altamente artístico. Khusraw prova neste mathnavi ser maior dramaturgo e pintor mais hábil de caráter do que o velho mestre. Da mesma forma a parte final, onde Khusrau questiona o grande filósofo Buzurg Ummid sobre os céus, as estrelas, os quatro elementos etc. é muito original e instrutivo.

Majnun-i Layli: é considerado como o melhor poema de Khamsa do Khusrau. É composto de um poema elegantemente simples e terno estilo de Khusrau, esse amor não tinha nada de desejo mundano sobre ele. Era um mistério do tesouro da alma.

A'ina-i Sikandari (o espelho de Alexandre): continuação da Mathnawi com o mesmo nome de Nizami. Amir Khusrau, no entanto, lida principalmente com a pós-conquista de Alexandre, do seu pensamento e da sua morte. Os eventos narrados por Nizami e Khusrau em suas mathnavis são quase os mesmos. Khusrau, no entanto, difere de Nizami no que respeita à afirmação de Nizami de que Sikandar era um Profeta, pois acredita que Sikandar era apenas uma pessoa santa. Da mesma forma, de Khusrau A'ina-i-Sikandari também difere consideravelmente de Nizami em vários detalhes. Khusraw deixou totalmente de fora a conquista da Pérsia e a morte de Darius porque, talvez, fosse difícil dizer a respeito desses eventos melhor do que Nizami tem feito. Allama Shibli No'mani chama A'ina-i-Sikandari como poema dul. Aqueles que passam por estas duas obras de Nizami e Khusrauw, concluem que Khusraw tem sido menos bem sucedido aqui do que no resto, subindo para o nível do grande mestre. Às passagens heroicas de Khusraw faltam o vigor tão abundante em Nizami.
Hasht Bihisht: uma resposta a Nizami's Haft Paikar. A obra se relaciona com os eventos do rei Bahram Gur.
 

Ghazals de Amir Khusraw Dihlavi
 
Ghazals_de_Amir_Khusraw_Dihlavi2.png

Este fragmento caligráfico inclui diversos ghazals (poemas líricos) compostos pelo poeta persa Amīr Khusraw Dihlavī (aproximadamente 1253–1325), cujo pseudônimo ou assinatura "Khusraw" aparece no topo da coluna central de versos diagonais. Os ghazals são executados em escrita Nasta'liq com tinta preta em três colunas, com os versos aparecendo em um papel bege e emoldurados por faixas de nuvens sobre um plano de fundo pintado em dourado.

 
Diversos painéis triangulares preenchem os espaços restantes na intersecção dos versos diagonais e da moldura retangular. Esses painéis incluem inscrições que especificam que a parte restante do poema continua para além da separação formal (espacial). Em outros casos, como no topo da coluna central de texto, um ghazal diferente é introduzido por uma inscrição em tinta vermelha. A inscrição diz: "dele também" e pede a Deus perdão pelos pecados de Amīr Khusraw. No canto inferior esquerdo da coluna à extrema direita, aparece a assinatura do artista, onde se lê: mashaqahu al-'abd (escrito pelo servo) Sultão 'Ali Mashhadi. O Sultão 'Ali Mashhadi (que prosperou aproximadamente entre 1453 e 1519) exerceu sua atividade na corte do último governante timúrida, o Sultão Ḥusayn Bāyqarā (que reinou entre 1470 e 1506) em Herāt (atualmente, no Afeganistão), onde foi contemporâneo do famoso pintor Bihzād (falecido em aproximadamente 1535) e do poeta prolífico Jāmī (1414 – 1492). Ele foi responsável por copiar diversos manuscritos reais e por compor inscrições para construções reais. Um mestre da escrita Nasta'liq, ele também compôs um tratado sobre as regras da escrita, as qualidades morais dos calígrafos, como fazer tinta e papel e como usar a pena de junco e outros implementos de escrita. O texto é emoldurado por uma ampla borda pintada em dourado e colado em uma folha de papel marmorizado branco, azul e vermelho. Embora o texto original tenha sido executado aproximadamente em 1500 em Herat, foi colado no papel marmorizado posteriormente.
 
canvas.png

Este fragmento caligráfico inclui uma série de versos escritos pelo poeta Amir Khusraw Dihlavi (por volta de 1253 a 1325), cujo nome aparece no canto superior direito do painel de texto central como “li-Amir Khusraw”. Os versos descrevem a permanência do amor como um botão de flor num florescer perpétuo, e declaram: “Tão bonita e agradável no jardim de rosas / (Que Deus coloque) um espinho nos meus olhos, se uma delas (as flores) for semelhante a ti / Eu entro e saio do jardim centenas de vezes / (e) por causa de minha angústia, não sei qual flor está florescendo / A poeira de Kisra se tornou uma flor e a coroa cravejada de joias virou pó / O nome da amada ainda (permanece) em cada porta e em cada parede”. O painel de texto é cercado por uma série de outros versos dispostos num fundo rosa ou azul, com desenhos dourados e colado numa folha maior de papel azul com cervos e flores dourados. A obra está firmada com um papelão colocado por trás. No canto inferior esquerdo e nas duas linhas horizontais de texto, abaixo do painel central, o calígrafo, Muhammad Husayn al-Katib ( “o escritor”), assinou a obra com suas abreviações e registrou um pedido de perdão a Deus pelos seus pecados. Ele também afirma que concluiu o painel caligráfico no ano 998 A.H. (1590). Tudo indica que Muhammad Husayn esteve ativo durante o reinado safávida de Shah ‘Abbas I (no poder de 1587 a 1629).

 

Manuscrito ilustrado dos poemas de Amir Khusraw Dihlavi

An_illustrated_manuscript_of_one_of_Amir

Outros poemas de Amir Khusraw Dihlavi

Amir_Khusraw_Dihlavi_goddessfarsi.jpg

The Goddess

Amir Khusraw Dihlavi (d. 1325)
Tradução de J. H. Hindley
*supplemented de Iraj Bashiri

O Thou whose face,
With envied grace,
the magi's Gods inflames!
Howe'er my verse
Thy praise rehearse,
Still more thy beauty claims.
Sprightly and gay
As fabled fay
Soft as the roseate leaf!
Say what I will--
Superior still!
Wonderous! beyond belief!
My vagrant eye
Did ne'er descry
A fairer form than thine:
Is it of earth?
Or heavenly birth?
Or Fairy's, half divine?
The world I rov'd,
And frequent lov'd
Those charms which all adore:
Maids who excell'd
I oft beheld--
But thou art something more.
Each soul thy prey,
Each heart thy sway
Avows with mad'ning pain;
Thy magic eyes
Idolatry maintain.
* Than jinis nimbler,
More delicate
Than rose's heart:
My praises
You surpass,
How wonderful thou art!
* Cypress statur'd
Art thou,
My soul's solace and comfort:
Don't abandon me
So abruptly,
And my heart transport.
* Intent to see
The show,
The desert your destination:
Our hearts and
Soul taking,
What custom's this fascination?
* I become you
You become me,
I become the soul, you the heart:
How can they
Now claim,
I am apart, you are apart?
Khoosro, fair maid,
entreats thine aid,
A stranger at the door;
Oh, in God's name,
Regard the claim
Of strangers who implore!

Amir_Khusraw_Dihlavi_Noplace.gif

 What Station Did I Cross that Night?
Amir Khusraw Dihlavi (d. 1325)
Tradução de Iraj Bashiri

 What station was I at, pray tell me,
The station I think I passed;
Blood sacrifices abounded, I recall
And dance
At the station I crossed
That night.
Who was that Beauty,
The cyprus-statured one, I mean;
The tulip-cheeked ravisher
The Jewel that adorned the station,
And the night?
Rivals attentive, she a coquette
I, a fearful, trembling mute;
Words had turned into stone,
My being entirely afloat.
What was the station I crossed, pray tell me
The station that I crossed
That night?
You crossed the NO PLACE,
Where He holds assembly
Where the Prophet is the Light.
NO PLACE it was , Khusrau,
The station you crossed
That night.

Amir_Khusraw_Dihlavi.gif

Visita de Alexandre ao Sábio Plato, do Khamsa de Amir Khusro

Basawan__Alexander_Visits_the_Sage_Plato
The Holy Mausoleum of Hazrat Amir Khusro (R.A), Delhi

12036399_868731589871656_13213124787857511218890_868731723204976_67619057610562311224529_868731626538319_148805124525661
REFERÊNCIAS
 
BIBLIOTECA Digital Mundial. Ghazals de Amir Khusraw Dihlavi. Disponível em: https://www.wdl.org/pt/item/6984. Acesso em: 26 jun. 2016.

BIBLIOTECA Digital Mundial. Versos de Amir Khusraw Dihlavi. Disponível em: https://www.wdl.org/pt/item/6941. Acesso em: 26 jun. 2016.

BASHIRI, Iraj. Amir Khusraw Dihlav. Disponível em: http://www.angelfire.com/rnb/bashiri/Poets/Dihlavi.html. Acesso em: 26 jun. 2016.

MINHAJ SUFISM. Perfil do Facebook. Disponível em: https://www.facebook.com/MinhajSufism/photos/a.868731529871662.1073741851.760798547331628/868731626538319. Acesso em: 26 jun. 2016.

QASEMI, Sharif Hussain. Khamsas of Nizami Ganjavi and Amir Khusrau. Disponível em: http://aalamekhusrau.com/sharif.aspx. Acesso em: 26 jun. 2016.

WIKIPEDIA: the free encyclopedia. Amir Khusrow. Disponível em: https://en.wikipedia.org/wiki/Amir_Khusrow. Acesso em: 26 jun. 2016.
Sílvia Mota a Poeta e Escritora do Amor e da Paz
Enviado por Sílvia Mota a Poeta e Escritora do Amor e da Paz em 26/06/2016
Alterado em 02/04/2018
Copyright © 2016. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários


Imagem de cabeçalho: jenniferphoon/flickr