Textos



Fantasia na madrugada
- carta de amor -

Escuta-me...
São 3h56. Madrugada.

Preparava-me para adormecer, mas escolhi passar pelos meus recantos de poesia, mais uma vez. Como se me pressentisse, teu comentário elegante dança-me ao olhar e, não sei bem por qual motivo, meu coração acelera. Releio-o. Mais forte bate o peito.

Para quê, a letra provocante?

As sombras da madrugada ejaculam luz e os sons do silêncio acordam-me em festim. O sono que chegava devagar, foge pela janela entreaberta. Parece-me voejar para o lugar distante... além mar... de onde vieram tuas linhas. Mais do que meras linhas... sedução!

Fantasia em dilúvio, que tantas vezes me afogou...

Quedo-me a pensar na força da palavra, escrita ou falada, em minha vida. Efeito fulminante, sempre! Seja para o bem ou para o mal. Sem meio termo - arrasta-me aos seus encantos ou aos seus pesadelos... e pronto!

Neste momento, sinto-me atingida pela flecha de Cupido - aquela haste pontiaguda, repleta de veneno... Veneno que me envenena o pensamento...

Alcançaste teu desígnio.
Feliz, agora?
Ah... madrugada!

Rio de Janeiro, 3 de julho de 2016
Sílvia Mota a Poeta e Escritora do Amor e da Paz
Enviado por Sílvia Mota a Poeta e Escritora do Amor e da Paz em 03/07/2016
Alterado em 11/09/2016
Copyright © 2016. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários


Imagem de cabeçalho: jenniferphoon/flickr