Textos


0_7c5a5_7b7220cd_M.jpg.gif
Louis Daniel Armstrong
Sílvia Mota a Poeta e Escritora do Amor e da Paz
0_7c5a5_7b7220cd_M.jpg.gif

Louis Daniel Armstrong destacou-se como cantor, compositor, instrumentista (trompetista, cornetista, saxofonista e arranjador), escritor, letrista, produtor musical, dramaturgo, artista plástico, ator, tenor, maestro e ativista político e social americano, considerado "a personificação do jazz". É de reconhecida fama, tanto como cantor quanto como solista, ao som do seu trompete.

Nascimento e infância

 
Louis Daniel Armstrong nasceu em 4 de agosto de 1901, em Storyville, distrito de New Orleans, conhecido por seu ambiente diversificado, que abrangia dos bordéis até as igrejas, escalonando por espeluncas de todos os gêneros e atividades. Sua infância foi de grande pobreza. O pai abandonou a família assim que Louis nasceu. Entre a liberdade das ruas e o trabalho para auxiliar a família, Louis tornou-se uma criança assaz esperta, que se adaptou à vida complexa que o destino lhe ofereceu.
 
LouisArmstrong11anos.jpg?width=450
A seta no topo da esta foto aponta para Louis Armstrong,

com a idade de 11 anos, membro da Colored Waifs Home banda

Adolescência
 
Aos 13 anos, Louis Daniel Armstrong conseguiu comprar uma corneta, com dinheiro emprestado de família russa-judia, os Karnofskys, e, de forma autodidata, aprendeu a tocá-la. Também cantava com um grupo pelas ruas para ganhar uns trocados a mais.
 
Na noite do Ano Novo, de 1912, por brincadeira, atirou para o alto com um revólver e, por tal atitude, foi enviado a um reformatório, onde permaneceu por um ano e meio. Ainda que pareça curioso o fato, foi nessa temporada no reformatório que teve contato veemente com a música, executando bugle e corneta na banda da instituição. Na mesma época, iniciou aprendizado em harmonia.
 
Ao retornar à liberdade, improvisou diversos bicos para sustentar-se e lançava mão de cada oportunidade para tocar uma corneta (muitas vezes, emprestada), onde fosse possível.
 
LouisArmstrongcomameMayann.jpg?width=450
Armstrong com a mãe Mayann

"Ela incutiu em mim a ideia de que o que você não pode obter - para o inferno com ele"
 
Vida adulta
 
Suas apresentações em inúmeras bandas que pululavam por New Orleans, destacavam-no como músico. A música, no entanto, ainda não era o jazz.
 
Foi então, que conheceu Joseph Nathan Oliver (19 de dezembro de 1881 - 10 de abril de 1938) mais conhecido como King Oliver ou Joe Oliver, um compositor notável, que escreveu muitas músicas ainda tocadas hoje, entre essas: "Dippermouth Blues", "Sweet Like This", "Canal Street Blues", e "Doctor Jazz". King Oliver foi mentor e professor de Louis Armstrong, que entrou para Oliver, em Chicago, em 1922, permanecendo até 1924, quando foi para Nova York para tocar com a banda de Fletcher Henderson. A influência de King Oliver foi tal em sua vida, que Armstrong afirmou: "Se não fosse por Joe Oliver, o Jazz não seria o que é hoje."
 
Quando voltou para Chicago, no outono de 1925, Armstrong começou a gravar uma das maiores séries da história do jazz. Destas, Hot Five e Hot Seven, levaram-no a romper com as convenções de Nova Orleans, com seu trabalho em trompete, notável por sua inventividade, ousadia rítmica, liberdade de improvisação e garantia de técnica perfeita. Em 1928, Armstrong começou a gravar com o baterista Zutty Singleton e o pianista Earl Hines, este último um músico capaz de igualar Armstrong no virtuosismo. Dessa aproximação nascem registros de obras-primas, performances destacadas por conjuntos complexos, torções harmônicas imprevisíveis e ousadia rítmica. Durante esses anos, Armstrong trabalhou com grandes bandas em clubes de Chicago e teatros. Seus vocais, com maioria dos registros pós-1925, são uma extensão da sua trombeta, cujo fraseado e vivacidade rítmica são entregues a um estilo gutural único.
 
Em 1929, Armstrong estava em Nova York com uma banda discoteca. Apareceu na revista teatral Hot Chocolates, pela interpretação de "Fats" Waller de "Is not Misbehavin", primeiro hit canção popular de Armstrong. A partir deste período, seu repertório ligado principalmente ao material de música popular, apresentou novo desafio em razão da sofisticação harmônica relativa. Algumas performances notáveis resultaram. Seu virtuosismo atingiu o auge por volta de 1933. Então, seu estilo passou por um processo de simplificação, que substituiu uma virtuosa exibição por um artesanato maduro que retirou de cada nota a vantagem máxima. Armstrong regravou alguns dos seus sucessos anteriores, com sucesso considerável.
 
Armstrong continuou a apresentar-se em grandes bandas e em algumas de qualidade inferior, até 1947, altura em que a era das big-bands acabara. Voltou, então, a liderar um pequeno grupo que, embora inicialmente incluídos músicos de primeira classe, tornou-se, ao longo dos anos, um mero pano de fundo para os talentos vaudevillian.
 
Durante a década de 1930, Armstrong alcançara fama internacional. Sua primeira turnê pela Europa como solista e cantor ocorreu em 1932. Depois da Segunda Guerra Mundial e sua viagem à França de 1948, Armstrong tornou-se viajante inveterado pelo mundo, passando pela Europa, África, Japão, Austrália e América do Sul. Atuou em vários filmes, sendo o melhor, um documentário intitulado Satchmo, o Grande (1957).
 
Em seus últimos anos o pensamento público de Armstrong como artista, reflete na maior parte de sua produção recorde. Mas, havia ocasiões em que produzia música de espantosa eloquência e brilho.
 
ChTYjjgW0AAbCLv.jpg
O trompete de Louis Armstrong

Morte
 
Louis Armstrong morreu de ataque cardíaco em 6 de julho de 1971, aos 69 anos, em Corona – Queens - Nova Iorque, 11 meses após tocar um último solo na Sala Imperial do Waldorf-Astoria. São indicadas como suas últimas palavras: "I had my trumpet, I had a beautiful life, I had a family, I had Jazz. Now I am complete", que numa tradução livre guarda o seguinte significado: "Eu tive o meu trompete, uma vida linda, uma família, o Jazz. Agora estou completo." Encontra-se sepultado no Cemitério Flushing, em Flushing - Nova York.
 
CmhZlcyXEAAa2tS.jpg?width=450CkwlwioW0AE8qxM.jpg?width=450LouisArmstrongdocumentogravadocomsuaprop
Louis Armstrong - documento gravado com sua própria letra
0_7c5a5_7b7220cd_M.jpg.gif
Referências
 
TAMÁRA. Louis Armstrong. Pintando Música, [s. l.]. Disponível em: http://pintandomusica4.blogspot.com.br/2009/03/louis-armstrong.html. Acesso em: 5 jul. 2016.
 
LOUIS ARMSTRONG. Verbete. Wikipédia: enciclopédia livre, [s.l.]. Disponível em: https://pt.wikipedia.org/wiki/Louis_Armstrong. Acesso em: 6 jul. 2016.
 
LOUIS ARMSTRONG FACTS. Verbete. Your Dictionary, Burlingame, CA. Disponível em: http://biography.yourdictionary.com/louis-armstrong. Acesso em: 6 jul. 2016.
 
KING OLIVER. Verbete. Wikipédia: enciclopédia livre, [s.l.]. Disponível em: https://en.wikipedia.org/wiki/King_Oliver. Acesso em: 6 jul. 2016.
0_7c5a5_7b7220cd_M.jpg.gif
Sílvia Mota a Poeta e Escritora do Amor e da Paz
Enviado por Sílvia Mota a Poeta e Escritora do Amor e da Paz em 06/07/2016
Alterado em 06/07/2016
Copyright © 2016. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários


Imagem de cabeçalho: jenniferphoon/flickr